introdução alimentar em bebés

COMO FOI A MINHA EXPERIÊNCIA?

Deixem-me começar por dizer que não sou expert em introdução alimentar nem nada que se pareça, porém li bastante sobre o tema e (mais importante) passei pela experiência. O que partilho aqui é apenas a minha visão e experiência mas devem sempre consultar o profissional de saúde que vos acompanha de forma a validar a introdução de alimentos para o vosso caso particular.

comida para bebés

Dei de mamar ao Henrique até aos 4 meses, altura em que ele passou a recusar a mama devido à introdução do leite artificial. Lutei durante 3 meses para lhe dar apenas leite materno, porém ele não aumentava de peso e após este período tive que ceder a bem da sua saúde. Introduzi ao 3º mês o suplemento e ele gradualmente começou a recusar a amamentação natural (para grande pena minha e apesar de todos os meus esforços).

Aos 4 meses já só bebia suplemento e foi nesta altura que a pediatra nos indicou que devíamos iniciar a introdução alimentar. De início fiquei chocada porque ele era muito pequenino e, na minha cabeça, só começaria outro tipo de alimentação aos 6 meses. Já tinha inclusive planeado adotar o método baby led weaning, porém esta situação trocou-me as voltas. Neste método é a criança que lidera o desmame, a seu tendo, mantendo como principal fonte de alimentação o leite materno. Porém os bebés que tomam exclusivamente suplemento necessitam de começar a introdução alimentar antes, já que o leite artificial não é tão completo como o leite materno.

COMO E QUANDO COMEÇÁMOS?

Nunca imaginei “obrigar” o meu filho a uma introdução alimentar precoce porém foi o que aconteceu. Mas como em tudo segui o meu instinto e só comecei a dar-lhe sopas perto dos 5 meses. Comecei muito devagar, sem pressa nenhuma. Uma colher de sopa aqui, duas ali, quando sentia que ele não queria mais ou que não estava disposto naquele dia dava-lhe o suplemento. Nunca forcei nenhum alimento e a hora de comer sempre foi calma, sem distrações ou ecrãs, com tempo para ele explorar os alimentos, sabor, aroma, textura, etc.,  e também a nossa companhia, à semelhança dos nossos hábitos aqui em casa.

Após um mês ele já comia as sopas bastante bem. Fui, logo à partida, introduzindo todo o tipo de legumes, até os menos usuais: chuchu, beterraba, acelgas, couve coração, entre outros. Também na fruta fomos gradualmente saindo fora do habitual: laranja, tangerina, anona, abacate fizeram parte da 2ª fase de introduções após as tradicionais maçã, pêra e banana. Desde início que lhe dei a fruta em pedaços e nunca triturada. Usei primeiro uma rede deste género para facilitar ele agarrar nos alimentos e não se engasgar, mas gradualmente fui retirando.

Quando iniciámos as papas no 6º mês sabia que queria dar-lhe sempre papas naturais e de cereais integrais. De preferência em grão, o formato mais natural destes alimentos. Começámos por isso pelos cereais sem glúten: arroz integral, millet, quinoa, trigo sarraceno e posteriormente aveia, espelta e cevada. No início papas simples às quais juntava suplemento (ou leite materno) e depois comecei a fazer algumas combinações de legumes e frutas. Começava sempre por demolhar os grãos durante a noite, descartar a água da demolha, lavar bem e depois cozer. 

Deixo-vos nas imagens algumas receitas simples de sopas e papas que podem começar a introduzir a partir dos 4 meses. Eu opto sempre por fazer 2 papas e 2 sopas por semana e vou alternando com mais 1 ou 2 que tenha no congelador. Faço sempre em boa quantidade para congelar. Desta forma vou variando o que lhe damos e ele não enjoa (porque tal como nós, quem quer comer o mesmo dias a fio?). 

Espero que vos seja útil e em caso de dúvida já sabem que podem falar comigo pelo Instagram e Facebook.

RECEITAS

Papas a partir dos 4 meses

Sopas a partir dos 4 meses

Gostou? Partilhe com os seus amigos

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print